segunda-feira, 26 de setembro de 2016

CALENDARIO DE GIRAS PUBLICAS

CABANA DE PAI BENGUELA

OUTUBRO

Dia 1 (sábado) - Caboclos e Exus - 18:30 h
Dia 7 (sexta feira) - Pretos Velhos - 20:30 h
Dia 14 (sexta feira) - Baianos - 20:30 h
Dia 21 (sexta feira) - Crianças - 20:30 h
Dia 28 (sexta feira) - Exus e Pombagiras - 20:30 h

NOVEMRO

Dia 5 (sábado) - Caboclos e Exus - 18:30 h
Dia 11 (sexta feira) - Pretos Velhos - 20:30 h
Dia 18 (sexta feira) - Crianças - 20:30 h
Dia 25 (sexta feira) - Exus e Pombagiras - 20:30 h

DEZEMBRO

Dia 3 (sábado) - Caboclos e Exus - 18:30 h
Dia 9 (sexta feira) - Pretos Velhos - 20:30 h
Dia 16 (sexta feira) - Exus e Pombagiras - 20:30 h

Rua Almirante Lobo, 981 - Ipiranga

domingo, 11 de setembro de 2016

VAMOS CANTAR CORRETAMENTE O HINO DA UMBANDA


Segundo Mestre Marne, membro fundador do CONDU, que participou em 1976 da aprovação da obra de J. M. Alves como Hino Oficial da Umbanda, no Rio de Janeiro (Hotel Glória), é de suma importância que o Hino da Umbanda seja cantado com a letra e melodia correta, sem mudança alguma. Porque na hora da oficialização do Hino, foi perguntado ao Sr. Jerônimo Vanzeloti, presidente da Convenção do CONDU, se o compositor J. M. Alves iria cobrar direitos autorais de sua obra. Diante desse questionamento o Sr. Vanzeloti, foi conversar com o autor e o mesmo mandou o seguinte recado a todos os presentes: “Não vou cobrar nenhum tostão de direito autoral, só peço para manterem meu nome como autor”, porém proibiu que a letra de sua obra fosse mudada em sequer uma vírgula e que toda vez que forem cantar o Hino da Umbanda, a mão direita deverá ser colocada sobre o coração. Por isso, é importante que todos pratiquem esse ato cívico de Umbanda, como demonstração de fé e respeito, conforme o Sr. José Manuel Alves queria e pediu pra ser.
Assim, não se deve cantar duas vezes a parte final do Hino:
“Levando ao mundo inteiro a bandeira de Oxalá”.
Observem a partitura.


terça-feira, 30 de agosto de 2016

FASES DA LUA


Eu, minha esposa Tarsila e meu filho Tharso estivemos ontem na inauguração da nova sede do Templo Fases da Lua dos nossos queridos irmãos Alexandre e Carina.
Uma noite maravilhosa com muita luz, energia e amor.
Compartilhamos estes momentos com irmãos de diversos terreiros. Conversa proveitosa com Sandra Santos, Evandro Besouro, Kelly e Denisson.




domingo, 28 de agosto de 2016

HISTÓRIA DA UMBANDA NO BRASIL

Conhecer a nossa história significa, entre outras coisas, não repetir os erros do passado. Há vinte e cinco anos recebi do Astral a tarefa de resgatar a memória da Umbanda. Desde então uma árdua, mas prazerosa tarefa vem sendo desenvolvida com o auxilio precioso do Astral e de irmãos que também tem o interesse nesta jornada, além de uma profunda pesquisa de documentos, matérias, reportagens, imagens e depoimentos. Visitas físicas e virtuais à Biblioteca Nacional, sebos e terreiros tem sido de grande valia.
Hoje o registro da Umbanda está concentrado na EDITORA DO CONHECIMENTO.
Durante 20 anos tentei encontrar um exemplar do livro “No Mundo dos Espíritos”, de Leal de Souza, o primeiro que fala de Umbanda, de 1925. O mesmo Leal de Souza, o primeiro historiador da nossa religião, escreveu “O Espiritismo, a Magia e as Sete Linhas da Umbanda”, em 1932. O primeiro eu consegui em 2010 e repassei para a Editora que o publicou em 2012. O mesmo ocorreu com o segundo que já encontra na segunda edição.
“Antonio Eliezer Leal de Souza: o primeiro escritor da Umbanda” é a primeira biografia sobre o jornalista, poeta parnasiano (lançado por Olavo Bilac), espírita e umbandista. Dois anos de trabalho ininterrupto culminaram com o lançamento desta obra, em 2009. Um ano depois foi publicado o livro “A Construção Histórica da Literatura Umbandista”.
Um projeto ambicioso e de fôlego foi iniciado em 2013. A coleção “História da Umbanda no Brasil”. O primeiro e segundo volumes foram lançados em 2014. Em 2015 saiu o terceiro volume. O quarto volume está na fase final de produção e será lançado em breve. O quinto volume está sendo redigido e deverá ficar pronto até o fim do ano.
Cabe ainda registrar que a EDITORA DO CONHECIMENTO lançou, em 2015, a obra “Reflexões sobre a escola do Caboclo Mirim”, de Sérgio Navarro Teixeira. Outra obra interessante é “História da Umbanda: uma religião brasileira”, do nosso irmão Alexandre Cumino, publicada pela Madras Editora.

Enfim: a Umbanda tem história e ela está devidamente registrada.

edconhecimento.com.br










segunda-feira, 25 de julho de 2016

SARAVÁ PAI ERNESTO

No dia 20 de julho Pai Ernesto Antonio Scazzioti foi para o outro lado da vida, aos 92 anos.
Uma grande alma humilde que muito amava a Umbanda. Fazia um trabalho simples, pés no chão, mas muito eficiente.
Com ele dei os meus primeiros passos na Umbanda.
Muitas vezes compartilhamos o mesmo cachimbo na sala dos professores do Colégio XII de Outubro.
Com certeza foi bem recebido e acolhido pelo Astral por seus méritos na prática da caridade e pela sua bondade. Saravá meu pai.
Que os Orixás, guias e protetores lhe iluminem na nova caminhada espiritual.



quarta-feira, 20 de julho de 2016

VISITA À CASA DE CHICO XAVIER EM UBERABA


Fotos registradas no quarto dele com alguns de seus objetos pessoais. Uma grande emoção pisar no solo em que ele pisou.Uma foto com Eurípedes, filho adotivo do Chico.Casa e acervo muito bem preservados.